A Pós Verdade

Tempos modernos, conceitos modernos. A novidade da vez é a pós verdade, “post truth” em inglês. O conceito nasceu de uma necessidade de se definir uma experiência.   Essa necessidade surgiu por conta da intensa ocorrência de

Tempos modernos, conceitos modernos. A novidade da vez é a pós verdade, “post truth” em inglês. O conceito nasceu de uma necessidade de se definir uma experiência.

 

Essa necessidade surgiu por conta da intensa ocorrência de falsidades postadas nos mais diversos veículos de replicação de informação, redes sociais, perfis, tubes, etc. Hoje, a quantidade de absolutas e totais mentiras é muito maior do que de mentirinhas (mentiras pequenas ou misturadas com verdades) e muito mais do que verdades puras, rigorosas.

 

Assim, se você procurar informações – com honrosas exceções como da nossa querida Versatille, é claro – a chance de você ser traído por uma falsidade ou um absurdo com cara de verdade é enorme. E o que é pior. Uma vez convencido, você se torna difusor da porcaria. Compartilha e espalha a besteira como um vírus. Daí a expressão: viraliza.

 

O termo pós verdade vem da necessidade, após a viralização da mentira, de desmenti-la com fatos. O problema é que o estrago já esta feito. Depois de espalhar as penas ao vento, fica impossível recolhê-las. Você lança uma mentira, uma teoria conspiratória, uma tremenda bobagem com ar de credibilidade ou citando fonte (falsa) que tem credibilidade e pronto. O estrago esta feito. Pior se quem as espalha for “autoridade” no assunto.

 

Cabe ao atingido tratar de resgatar a verdade ou o que restar dela. A isso se chama pós verdade. Hoje, no noticiário político, nas informações sobre economia, geopolítica internacional e sobre a vida de personalidades e celebridades, a energia gasta para se impor a pós verdade é tremenda. Elegeu-se um presidente nos EUA (Trump) com muita matéria falsa – não que a concorrente também não tenha as usado. Nas relações internacionais, os aparentes vilões podem ser heróis e os aparentes heróis costumam ser vilões.

 

Como lidar com isso? Meu conselho: quando se deparar com qualquer notícia especialmente política, parta do princípio que aquilo não é o que parece, provavelmente é o contrário. Quando alguém brande a Constituição na sua cara é porque provavelmente irá feri-la. Quando falarem da economia para você, desconfie. Se lhe dão boas notícias, querem seu dinheiro. Se lhe dão más notícias, querem seu dinheiro.

 

Cuide de suas fontes. Não replique algo só porque apareceu em veículo suspeito. Quase todos são suspeitos. Confie em seus instintos e desconfie do que você não conseguir entender. As questões mais importantes da vida podem ser colocadas em poucas frases, bem simples e verdadeiras. Lembre-se, a mentira precisa da confusão. A verdade adora a clareza.

 

Dr. Nelson Spritzer