Cada um segundo a sua espécie

Um dos questionamentos que mais respondo ainda hoje em dia é sobre o cálcio, ou melhor, a carência deste. Graças à nossa ingênua criatividade e talvez com as antigas necessidades de sobrevivência, adotamos o hábito

Um dos questionamentos que mais respondo ainda hoje em dia é sobre o cálcio, ou melhor, a carência deste. Graças à nossa ingênua criatividade e talvez com as antigas necessidades de sobrevivência, adotamos o hábito duvidoso de beber leite de outra espécie. Pesando cerca de 45 quilos no nascimento, um bezerro normalmente ganha aproximadamente oito vezes seu peso pelo tempo que é desmamado, ou seja, 360 quilos.

 

Ninguém pode contestar que o leite de vaca é uma excelente fonte de alimento, e obviamente, para bezerros. Nenhuma animal de todas as espécies de mamíferos neste planeta volta a mamar após o desmame e principalmente, o leite de um outro animal.

 

Isso realmente deveria ter um impacto profundo sobre o nossa crença sobre a alimentação. Cada leite foi projetado específica e unicamente para a sua própria espécie e, portanto, não é metabolizado corretamente por outra. Isso é muito claro com a epidemia mundial dos intolerantes a lactose (o açúcar do leite) e alérgicos à caseína, betalactoglobulina, entre outras proteínas do leite assim como o tão conhecido whey, proteína extraída do soro do leite.

 

Voltando ao cálcio, que tanto mencionam, só é absorvido adequadamente se houver magnésio e a  vitamina D. Sendo assim, o leite está longe de ser a melhor fonte de cálcio para o ser humano. Existe uma lista de alimentos ricos em cálcio, por exemplo, em 100g desses seguintes alimentos temos: alga marinha hijiki (1400mg); gergelim (975mg); chia (616mg); tofu (128mg); grão-de -bico (150mg), além das brássicas como: brócolis, couve-flor, couve, repolho, etc. Assim, existe uma maneira melhor, sustentável, sem crueldade e saudável de ingerir cálcio.

 

Centenas de estudos no mundo inteiro confirmam que aqueles que tomam leite ou fazem reposição de cálcio, são aqueles que mais têm fraturas de quadril e problemas de osteoporose. Além disto, em dezenas de amostras testadas foram encontradas substâncias como a penicilina, uma vez que a penicilina é utilizada por algumas empresas para amenizar as mastites, uma inflamação das glândulas mamárias presente nas vacas leiteiras. Saúde a todos!

 

Saúde & Bem-Estar  Por Marcelo Facini Consultor em Gastronomia Funcional Instagram: @marcelofacini | Matéria publicada na edição 95 da Revista Versatille