Genius: saiba tudo sobre a série que explora a vida de Albert Einstein

Time de peso por trás e diante das câmeras conversa com a Versatille durante o Tribeca Film Festival e explica as surpresas da vida de Albert Eistein

Genius é a mais nova série da National Geographic, cujo foco é contar história de Albert Einstein – da juventude até se tornar o ícone científico que todos conhecemos. Baseada no livro de Walter Isaacson, publicado em 2007 sob o título de Einstein: Sua vida, seu Universo, a série tem 10 episódios, e conta com um time de peso à frente e por trás das câmeras.

 

O seriado, que busca dar ênfase à vida pessoal de Einstein, deixando o gênio mais humano e real, é dirigido e produzido pelos renomadíssimos Ron Howard e Ken Biller. Howard vem do cinema e Biller é um dos maiores players no mundo televisivo. Faz todo o sentido, dessa forma, a produção marcar sua estreia no Tribeca Film Festival, onde conversamos com a equipe.

 

“Basicamente eu dirijo a parte criativa da série”, disse Ken Biller em bate-papo exclusivo no tapete vermelho. “O meu trabalho envolve desenvolver junto ao diretor como vamos contar a história e a arquitetura do show, que é como ele vai ser organizado”.

 

TIME DE PESO

Além da direção de Howard e Biller, o seriado traz à televisão Geoffrey Rush e Emily Watson, além do ator Johnny Flynn. Rush e Flynn interpretam Albert Einstein em diferentes etapas de sua vida – o primeiro dá vida a Einstein no auge de sua carreira, enquanto o outro o interpreta quando jovem. Elsa, outra personagem da trama, é interpretada por Emily Watson e Gwendolyn Ellis.

 

O elenco de coadjuvante também conta com um time excepcionalmente talentoso. Entre eles, Samantha Colley, que interpreta Mileva Maric, a primeira esposa de Einstein, e TR Knight, que ficou conhecido por Greys Anatomy e retorna a televisão para interpretar J Edgar Hoover. Vindo do universo de Game of Thrones, estão Eugene Simon e Michael McElhatton. Não é a toa que Genius tenha se tornado uma das series mais promissoras deste ano.

 

Gwendollyn Ellis em entrevista durante o tapete vermelho do Tribeca Film Festival

Gwendollyn Ellis em entrevista durante o tapete vermelho do Tribeca Film Festival

 

Perguntei a Ken Biller qual foi o maior desafio ao montar esta série, uma vez que esta é baseada em fatos reais. O cineasta explica que uma gênero como o drama é criado, na maioria das vezes, pelo suspense de não saber o que vai acontecer – algo que, no caso, caso era impossível.

 

“O fato é que a vida de Einstein era bastante agitada e com muito suspense. Ele teve muitos obstáculos na sua vida, muitas rivalidades, muitas pessoas e instituições que tentaram sabotá-lo, então usamos isso para criar drama. E também por especulação a gente sabia o que acontecia mas não necessariamente como ou o porque. Então tivemos que buscar o drama disso. E acho que o público vai se surpreender bastante”.

 

Ao entrevistar alguns membros do elenco da série, percebi que os desafios que Einstein passou e como lidou com eles foi algo impressionante para quem esteve envolvido na produção também. Para Michael McElhatton, que interpreta o físico Philipp Lenard, um dos vilões da série, o que mais surpreendeu o ator foram as batalhas que Einstein enfrentou desde o início da sua vida.

 

“Ele era um radical, um pensador livre e um pacifista. Ele enfrentou muitas batalhas sozinho tentando comprovar a teoria da relatividade e todas as outras coisas fantásticas que ele descobriu. A sua vida não foi nenhum passeio no parque. Durante seu tempo na Alemanha, meu personagem (Philipp Lenard) estava sempre o sabotando, e quando ele foi para os Estados Unidos, teve que lidar com Hoover, que suspeitava que Albert fosse um comunista. Ele não teve uma jornada fácil.”

 

Gwendolyn Ellis complementa: “Acho que isso é o que acontece todas essas pessoas super inteligentes. A gente os reconhece pelas descobertas cientificas, mas no caso de Einstein, ele tinha uma personalidade que atingia o mesmo nível disso”.

 

HUMANO, DEMASIADAMENTE HUMANO 

A personalidade de Einstein talvez tenha sido o ponto que mais surpreendeu o elenco. Fiz a mesma pergunta à todos: O que você descobriu sobre estes personagens que não sabia antes de trabalhar neste projeto? Veja só as reflexões de cada um:

 

“Einstein é engraçado, eu não o via como humano, se é que isso faz sentido. Ele era quase como uma ideia. Então vê-lo como um ser humano, com seus defeitos e falhas como todos nós temos, para mim isso foi fascinante” – TR Knight

 

“Quando pensamos em Einstein, pensamos nesse homem mais velho com o cabelo branco, o pai da física. Mas eu amei aprender que ele era engraçado, bem humorado, sexy e meio bad boy” – Samantha Colley

 

O ator TR Knight em bate papo no tapete vermelho do Tribeca Film Festival

O ator TR Knight em bate papo no tapete vermelho do Tribeca Film Festival

 

Genius explora também as relações pessoas de Albert Einstein, com as duas esposas e seus filhos. As relações também foram surpreendentes para os atores. “O relacionamento entre Albert e Mileva era extremamente apaixonado”, disse Samantha Colley comentou com uma certa surpresa. “Era um encontro das mentes mas ao mesmo tempo bastante sexual, eles se trancavam no quarto por horas, faltavam aulas para namorar e falavam de ciência.”

 

Eugene Simon, que interpreta Eduard Einstein, o segundo filho de Albert que sofria de esquizofrenia, comentou sobre a relação de Einstein com os filhos:

 

“Quando você vai buscar imagens de Albert com os filhos Hans e Eduard, você se depara com fotos dele em uma instituição mental com o seu segundo filho. Você percebe uma distancia entre os dois, mas ao mesmo tempo uma grande energia entre eles. E eu acho que isso faz com que ele se torne amável. Isso nos faz pensar que Albert Einstein, que a gente conhece daquela foto com a língua para fora, seja uma pessoa com falhas como todos nós, mas também um gênio ao mesmo tempo.”

 

A IMPORTÂNCIA DO VIOLINO 

A relação de Einstein com o violino também retratada na série. Em todos os episódios o violino está presente, e há uma boa razão para isso.

 

“Eu adorei descobrir que um gênio como Albert Einstein precisava de música para pensar. Para ele, pensar e ciência era simbiótico”, comenta Samantha Colley sobre o fato, seguida de Eugene Simon: “Uma das coisas eu aprendi e que eu adorei sobre Albert Einstein, é que sempre que ele queria pensar, ou se concentrar em algo, ele começava a tocar o violino. Essa é uma imagem maravilhosa, e há tantas fotos dele fazendo isso”.

 

Genius vai ao ar pela National Geographic e está disponível também no iTunes.