Luxo a preço justo

EM SUA SEGUNDA PASSAGEM PELO BRASIL, NEILS EGGERDING — VP DA MARCA DE RELÓGIOS SUÍÇOS FRÉDÉRIQUE CONSTANT — CONVERSOU COM VERSATILLE SOBRE UMA DAS SUAS PRINCIPAIS PAIXÕES

EM SUA SEGUNDA PASSAGEM PELO BRASIL, NEILS EGGERDING — VP DA MARCA DE RELÓGIOS SUÍÇOS FRÉDÉRIQUE CONSTANT — CONVERSOU COM VERSATILLE SOBRE UMA DAS SUAS PRINCIPAIS PAIXÕES… RELÓGIOS, OF COURSE!

 

Se fosse feita, na maioria das cidades do mundo, uma pesquisa para saber a que imagem a Suíça estaria associada, não há dúvidas de que as respostas seriam “aos queijos ou aos relógios”. A maior parte dos suíços ficaria feliz com qualquer uma das respostas, se bem que os relógios sejam, de longe, muito mais lucrativos para o país.

 

Existe, hoje, na Suíça uma sobreposição de marcas de relógios convencionais e de relógios de prestígio. Mas, a “alta relojoaria” ainda é um domínio suíço, pois nem só de queijos e paraísos fiscais vive esse pequeno país que fala três idiomas (alemão, francês e italiano) e tem uma renda per capita estimada de mais de 50 mil dólares.

 

Neils Eggerding nasceu em 1978, em Amsterdã, Holanda. Aos 20 anos ligou-se ao negócio de relógios ainda estudante. Foi trainee em uma distribuidora holandesa de relógios, com marcas como Zenith e Frédérique Constant. Em 2001, já gerente de vendas para Rado e Certina, juntou-se ao Grupo Swatch. No ano de 2005, na posição de gerente de vendas corporativo em soluções móveis foi para a Vodafone, em Maastricht. Após dois anos, Neils ainda era atraído por relógios. Em 2012, mudou-se com a família para Genebra e se juntou ao grupo Frédérique Constant, Alpina e Ateliers de Mônaco, responsável juntamente com uma equipe de sete gerentes de vendas regionais e quatro subsidiárias pelo volume global de negócios.

 

VERSATILLE — Há quanto tempo você está na indústria de relógios?

NEILS EGGERDING — Já faz 17 anos, eu acho. Comecei minha carreira no negócio de relógios. Naquela época eu era trainee para uma empresa que distribuía relógios. Fui treinado e comecei a trabalhar lá, e, até me graduar, trabalhei como vendedor, daí a Swatch me convidou para juntar-me a eles. Foi aí que tudo realmente começou. Nunca mais deixei esse negócio. Relógios sempre me atraíram muito.

 

VERSATILLE — Você sempre foi apaixonado por relógios? De onde você acha que vem essa paixão?

NEILS — Bem, acho que o que realmente me atrai é a caixa. O relógio é algo físico que você pode tocar. É uma emoção. É artesanal e demonstra habilidade. Aprendi o quanto é belo produzir um relógio. Ver um relógio sendo feito, de perto, produzir todas as peças, montar todas as peças para fazer um lindo relógio. A paixão por traz disso, para mim, é gratificante, e acho que nunca vou deixar isso. Quando falo sobre relógios com a família ou amigos, eles me olham e dizem: “dá pra ver que você nunca vai deixar o negócio de relógios”. Me envolvi com relógios quando era muito jovem, e nunca vou abandonar essa paixão.

 

VERSATILLE — Qual a evolução que você vê para Frédérique Constant?

NEILS — De certo modo é uma marca jovem de relógios na Suíça. A Suíça é uma comunidade extremamente fechada, protege muito o que eles veem como seus principais negócios: chocolate, negócios bancários e relógios. O fundador da Frédérique Constant Despertou sua admiração por relógios ao visitar Genebra. Estava olhando as centenárias marcas de lindos relógios, e, então, pensou:

“Eu nunca vou poder comprar um relógio desses, nunca”. Começou, então, a imaginar relógios comparáveis aos suíços. A partir daí, é maravilhoso o que a empresa conseguiu. É algo de que me orgulho muito. Em 28 anos, uma marca jovem de relógios, lutando na Suíça com gigantes que têm, digamos, 180, 200 anos.

 

VERSATILLE — Qual o segredo do sucesso da Frédérique Constant?

NEILS — O segredo, para mim, é o produto, a combinação de produto e preço. Você tem um relógio com acabamento superior, um relógio de luxo, por um preço muito bom. Um preço justo. Muito honesto.

Algo que você raramente vê em muitas outras marcas de relógios. Temos uma qualidade que é comparável a qualquer outro relógio, não melhor, comparável, mas conseguimos vendê-los a um preço competitivo. Relógios, podemos compará-los a qualquer coisa no mercado, você vê que nada se compara a eles em valor ou qualidade. Isso é que está causando esse crescimento. Posso ver o crescimento da Frédérique Constant no mercado do mundo todo. No Brasil, começamos agora, mas você pode ir a muitos outros mercados maduros em relógios, e ver que nossa presença é grande. Nós temos, de certo modo, uma margem menor que muitos de nossos competidores. Esse é o movimento de negócios que estabelecemos há 28 anos. E é onde se vê o preço justo caindo.

 

VERSATILLE — O que você acha dos relógios inteligentes? É uma ameaça?

NEILS — De fato, posso dizer que é uma ameaça o surgimento do relógio inteligente. É um substituto, remove a necessidade de um relógio. A única coisa que penso que conseguimos, dois, três anos atrás, foi surgir com um relógio de aparência clean, limpa; para muitas pessoas, a única razão para comprar um reló- gio é porque tem esta aparência, e um preço muito justo.

 

VERSATILLE — Qual relógio Frédérique Constant é o seu favorito?

NEILS — Meu relógio favorito de Frédérique Constant é o Slimline Moonphase, com uma pulseira de jacaré preto e uma caixa de aço. É um relógio clássico, mas eu adoro isso.

 

Haute Horlogerie por Fran Oliveira | Matéria publicada na edição 98 da Revista Versatille

 

NEILS EGGERDING