Michelangelo invade o Met Museum em Nova York (e fomos lá conferir)

Com direito a reprodução da 'Capela Sistina', exibição 'Michelangelo: Divine Draftsman and Designer' traça um panorama da vida e obra do icônico artista

Com mais de 128 desenhos do artista e três de suas primeiras esculturas, a exposição Michelangelo Divine Draftsman and Designer  proporciona aos amantes de arte e curiosos em geral acesso à diferentes fases do trabalho deste ícone das artes. Desde as suas primeiras obras e rascunhos até o processo criativo de obras que estão entre as mais conhecidas do planeta, como a Capela Sistina e o Último Testamento, tudo está à vista na mostra do Metropolitan Museum of Art, um dos mais importantes espaços de Nova York.

 

O museu arrecadou peças de mais de 50 coleções publicas e privadas da Europa e Estados Unidos para montar a exposição, o que faz da mostra o maior conjunto de desenhos originais Michelangelo já expostos em conjunto. De acordo com a equipe do Met, muitos destes desenhos estão sendo acessíveis para o público pela primeira vez.

 

 

Grandes museus da Europa abriram seus acervos para colaborar com esta exposição única. Entre eles, o museu Louvre de Paris, a galeria Uffitzi de Florença e o British Museum em Londres. Da Inglaterra, foram emprestados também diversos desenhos vindos da coleção privada da Rainha Elizabeth.

 

A exposição é organizada em ordem cronológica, mostrando os primeiros passos de Michelangelo como aprendiz até a elaboração de suas grandes obras-primas, sempre mostrando o contraste do desenho com a obra final, uma comparativa de seus estudos às obras de seus antecessores.

 

 

Um dos principais pontos da exibição é a sala da Capela Sistina, onde o Met replicou o teto do icônico espaço do Vaticano. Espalhadas pela área, estão os vários desenhos de estudo que Michelangelo fez antes de pintar a obra em Fresco. Falando na Igreja, a mostra traz também algumas curiosidades da vida do artista, como as desavenças com o Papa Julio II, a amizade com membros da nobreza Italiana e a competição e colaboração com outros artistas.

 

Entre as peças mais raras, está o retrato de Andrea Quaratesi, o único feito por Michelangelo que resistiu ao tempo. Ao lado da obra, o museu explica que o artista não gostava de pintar retratos a não ser que fosse de alguém cuja beleza era perfeita. Quaratesi era um jovem nobre admirado pelo artista.

 

 

A exposição Michelangelo: Divine Draftsman and Designer já está de portas abertas para o público, e fica no Met Museum até o dia 12 de Fevereiro de 2018. Dê uma passada por lá!